FAPE é palco de encontro da cadeia produtiva da avicultura

Publicado em 03 de dezembro de 2020

A Federação da Agricultura e Pecuária do Distrito Federal (FAPE-DF) foi palco, nesta quarta (2) e quinta-feira (3), de um encontro com representantes das Comissões para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração (CADEC) e com produtores de avicultura de diversos estados do Brasil, para tratar de questões relacionadas, principalmente, ao preço pago aos produtores por parte das integradoras.

O Encontro Nacional dos Integrados Seara/JBS de Frango de Corte e Matrizes foi realizado pela Associação Brasileira dos Avicultores Integrados (ABAI). Participaram produtores de Brasília, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Minas Gerais. Todos pedem urgência na revisão da metodologia e da forma como o produtor é remunerado.

Segundo o presidente da ABAI e da FAPE-DF, Fernando Cezar Ribeiro, é preciso buscar um equilíbrio na remuneração paga aos avicultores por parte das integradoras. Segundo ele, hoje o preço pago é baixo e muitas vezes não cobre os custos de produção.

“A principal demanda hoje, do encontro, é a necessidade da alteração contratual entre o produtor rural e a indústria. Nessa adequação à nova Lei da Integração, são vários itens que precisam constar, mas o que a gente quer é a sustentabilidade da avicultura, tendo em vista a renda do produtor. Essa é a nossa grande demanda”, explicou o presidente da FAPE-DF, Fernando Cezar Ribeiro.

Benedito Batista, avicultor há 20 anos no município de São Gonçalo na Bahia, também ressaltou que a remuneração paga ao produtor é insatisfatória e que o objetivo do grupo é negociar a sustentabilidade do sistema, tanto para a indústria, quanto para o produtor. “A ideia é exatamente aquilo que nós já estamos tentando há algum tempo, reunir os produtores, como está se fazendo hoje, e estabelecer um alinhamento para que, em uma negociação com a indústria, a gente consiga resultados que sejam bons para os dois lados. Não se pode pensar em alguma coisa que fique bom para um lado e ruim para o outro, precisamos que seja mostrado para indústria que o produtor precisa ser ouvido, e é exatamente essa a intenção da reunião, criar um canal de negociação e de abertura, que se busque equilíbrio onde as coisas estejam bem para os dois lados”, afirmou.

Demandas do setor

Durante o encontro, também foram tratados de temas como o reconhecimento por parte da indústria no custo de depreciação, inclusive no período de financiamento; o pagamento de ajuda de custo X ociosidade/permanência; separação das metas convencionais e darkhouse; alteração dos incentivos no plano de modernização das granjas antigas na mesma medida que os incentivos dados para a construção de novos galpões; apresentação do de DIPC para avaliação/aprovação das CADECs para implantação de novos investimentos, indenizações e ampliações; validação de metodologia de referência para análise de custo de produção (tabela padrão); retomada urgente das discussões no FONIAGRO e autonomia de decisão aos gerentes regionais nas reuniões das CADECs.

Carta à Ministra

Durante o encontro, foi elaborado um documento pelo grupo, que foi entregue para a Ministra da Agricultura (Mapa), Tereza Cristina, reivindicando, entre outras questões, melhores condições de remuneração para os criadores, exatamente o que foi discutido pelo grupo durante o encontro.
Segundo Fernando Cezar Ribeiro, a ministra ficou sensibilizada com os produtores da cadeia da avicultura, tem ciência que o sistema de integração necessita passar por um processo de inovação, não apenas em nível tecnológico como também na relação da indústria com os produtores e colocou à disposição a equipe da Embrapa para colaborar e avaliar a demanda dos produtores.

Durante a reunião com a ministra, a deputada Federal, Bia Kicis, também esteve presente.

Ascom FAPE-DF