PIB cai 4,6% nos primeiros seis meses de 2016 comparado ao mesmo período do ano passado

Publicado em 01 de setembro de 2016

Comunicado Técnico da CNA, com base em números do IBGE, mostra que setor agropecuário foi afetado pela crise econômica e intempéries climáticas

Brasília (31/08/2016) – O Produto Interno Bruto (PIB) apresentou queda de 4,6% nos primeiros seis meses de 2016, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo indica Comunicado Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com base no relatório de Contas Nacionais Trimestrais, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado nesta quarta-feira (31/08). Os números mostram que a indústria teve queda de 5,2%, a agropecuária 3,4% e o setor de serviços 3,5%.

Na avaliação do IBGE, a queda na atividade agropecuária no segundo trimestre de 2016, em comparação com igual período de 2015, pode ser explicado pela redução dos índices de produtividade das principais culturas agrícolas: milho (-20,5%), arroz (-14,7%), algodão (-11,9%), feijão (-9,1%) e soja (-0,9%). Esse desempenho negativo na produção das principais culturas agrícolas é consequência das intempéries climáticas, como o fenômeno El Niño, segundo indica a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A queda na produção do setor agrícola, segundo o IBGE, pode ser compreendida pela variação da estimativa de safra apresentada pela Conab. No primeiro Levantamento da safra 2015/2016, divulgada em outubro de 2015, a previsão de produção era de 213,4 milhões de toneladas. E o destaque foi a soja, com 101,9 milhões de toneladas e o milho, com previsão inicial de 83,6 milhões de toneladas.

O IBGE foi ajustando as estimativas e os efeitos do El Niño provocaram impactos negativos nas previsões. Assim, no 11º Levantamento de Estimativa de Safra, divulgado este mês, a previsão de produção de grãos caiu para 188,1 milhões de toneladas, redução de 11,9%. Para a soja, a queda foi de 6,4%, 95,4 milhões de toneladas, e o milho, queda de 18,1%, com nova previsão de 68,5 milhões de toneladas.

Leia a análise na íntegra no COMUNICADO TÉCNICO: Indicadores do PIB – Edição 04/Agosto de 2016: http://www.cnabrasil.org.br/artigos-tecnicos/comunicado-tecnico-indicadores-do-pib-edicao-4agosto-2016

 

Fonte: CNA